Ginecologia

Robots em Ginecologia

O grande objetivo desta robotização é proporcionar elementos que desempenham o papel de ajudantes do cirurgião, sem substituir o mesmo, mas que realizam algumas das tarefas mais específicas e complexas, diminuindo a incidência do erro humano e aumentando a precisão.

A utilização de robots nas várias áreas médicas, nomeadamente na cirurgia é já atualmente bastante comum, representando um avanço importante nestas áreas e tendo um grande número de vantagens associadas. No entanto, em alguns campos a cirurgia robotizada ainda não é tão comum, havendo ainda vários desafios e questões em aberto, os quais é necessário estudar e desenvolver. A medicina da mulher, mais concretamente a ginecologia, pode ser incluída neste conjunto de campos, tendo como um dos principais desafios relacionados com esta área a menopausa e as questões associadas com a mesma.

A ginecologia é um ramo da medicina particularmente referente ao tratamento e acompanhamento de doenças e da rotina de cuidados físicos do sistema reprodutivo feminino. Abrange todo o tipo de cuidados necessários dos órgãos reprodutivos femininos, e inclui também intervenções cirúrgicas para o tratamento de diversas patologias.

Existe normalmente uma confusão geral na sociedade entre os conceitos de ginecologia e obstetrícia, sendo que a segunda é uma ciência ligada à saúde da mulher e do seu sistema reprodutivo durante a gravidez e após o nascimento do bebé. Um médico pode ser especializado em ambas as áreas, mas é de notar as diferenças entre as duas. Durante o desenvolvimento deste trabalho iremos focar-nos mais na ginecologia e na aplicação de robots no âmbito desta área.

A cirurgia na ginecologia tem sido revolucionada, especialmente nos últimos 30/40 anos, em parte devido às cirurgias laparoscópicas mas também mais recentemente com a aplicação de robots cirúrgicos, que permitem ultrapassar várias limitações encontradas com as laparoscopias e prometem diversas vantagens em relação às mesmas.

O grande objetivo desta robotização é proporcionar elementos que desempenham o papel de ajudantes do cirurgião, sem substituir o mesmo, mas que realizam algumas das tarefas mais específicas e complexas, diminuindo a incidência do erro humano e aumentando a precisão. Desta forma, é possível otimizar os procedimentos cirúrgicos, combinando os atributos do humano e do robot, melhorando tanto a experiência do cirurgião como a do paciente.

Beatriz Martinho Cardoso da Silva, Carolina Trepado Pereira e Catarina António de Carvalho
Supervisão: J. Norberto Pires
Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade de Coimbra

Para ler o artigo completo faça o download gratuito da revista “robótica” nº122. Verifique o seu email após o download. Pode também solicitar apenas este artigo através do email: a.pereira@cie-comunicacao.pt

      Selecione as sua(s) área(s) de interesse

      Utilize a tecla Ctrl para selecionar mais que uma opção

    Outros artigos relacionados