Contrinex
controlo

Controlo Numérico Computorizado

O especial “Controlo Numérico Computorizado” é composto pelos seguintes artigos:

Longe vai o tempo em que o controlo numérico (CN) de uma máquina-ferramenta era realizado manualmente por operadores especializados. O suporte computadorizado da máquina que funcionava como um mero sistema de controlo, era utilizado para a inserção de um código que, sendo bastante restrito, otimizava em muito o processo produtivo. Estávamos na terceira revolução industrial onde as utilizações de componentes eletrónicos começavam a dominar os processos produtivos, quer do ponto de vista do controlo quer da monitorização. Com a passagem do CN e das fi tas perfuradas para o CNC (Controlo Numérico Computadorizado), as máquinas passaram a operar de forma automática trazendo enormes ganhos produtivos e de qualidade. O erro humano é minimizado não só pela automatização do processo, mas essencialmente pela libertação do operador de tarefas repetitivas exigidas pela produção manual de peças por cópia de gabaritos ou suportadas por copiadores hidráulicos. A máquina-ferramenta deixa de exigir a atenção constante do operador e este pode operar com mais do que um equipamento.

Tecnologicamente a máquina-ferramenta, muitas das vezes denominada CNC, é hoje em dia um equipamento industrial de elevada incorporação tecnológica que não só lhe permite interagir com sistemas complexo de modelação, como o CAD/CAM, como produzir peças de elevada complexidade que, outrora, só poderiam ser obtidas por fundição ou por processos manuais. A evolução do CNC, ou se quisermos dizer das CNCs, não se ficou só pela melhoria e aumento da capacidade dos sistemas de controlo, pela capacidade de comunicação com sistemas de desenho, de modelação e de simulação ou pela sua integração em sistemas flexíveis. Esta verificou-se também, ao nível mecânico, do posicionamento e da linearidade, da maquinagem de alta velocidade (MAV) e das ferramentas, mas sobretudo no domínio volumétrico passando o típico sistema X, Y e Z (três eixos) para cinco, seis ou mais eixos operando simultaneamente.

A Indústria 4.0, com o seu conceito de integração, requererá por um lado uma maior capacidade de processamento das máquinas-ferramenta e do CNC, num contexto de Big-date e de dados armazenados na Cloud, da sensorização inteligente, do diagnóstico integrado e com acesso remoto, que nos permite a intervenção e assistência quase em real-time. As máquinas deixam de estar cingidas a um ambiente industrial, de chão de fábrica, passando a um nível de interação plena com todos os setores decisivos, técnicos e comerciais integradas num contexto que cada vez é mais global, onde a competência se torna mais relevante do que o conhecimento técnico. As ações que hoje exercermos, influenciarão inevitavelmente o caminho que amanhã trilharemos.

Adriano A. Santos

O especial “Controlo Numérico Computorizado” é composto pelos seguintes artigos:

Para ler o artigo completo faça o download gratuito da revista “robótica” nº115. Verifique o seu email após o download. Pode também solicitar apenas este artigo através do emaila.pereira@cie-comunicacao.pt

artigo

      Selecione as sua(s) área(s) de interesse

      Utilize a tecla Ctrl para selecionar mais que uma opção

    Outros artigos relacionados

    Translate »